06/03/2011

Brasil: um rico país subdesenvolvido.

O Brasil é um país pobre, ou melhor, ele é um país muito rico, mas com uma fraca distribuição de renda. De acordo com o Coeficiente de Gini, a terceira pior do mundo, empatando com o Equador. "Sendo que o 1% da população mais rica detém renda equivalente a da parcela formada pelos 50% mais pobres" (pesquisa IPEA - 2005).
           
           Geograficamente fala-se que todos os países situados no hemisfério sul, ou seja, abaixo da linha do Equador, fazem parte da classe dos subdesenvolvidos (ou países em desenvolvimento, como alguns preferem chamar), com exceção daqueles que pertencem à Oceania. Todavia, não se pode culpar a Geografia por isso, não é mesmo?
Em 2009, quase 59% da população tinha renda de, no máximo de R$465,00 ao mês (IBGE), sendo que o salário mínimo ideal, para se viver dignamente, deveria ser acima de R$2000,00.

O salário mínimo é feito para sustentar uma família de até quatro componentes e, num país onde os impostos são abusivos e o nível de desemprego absurdo, o dinheiro que não chega a R$600,00 por mês mal dá para sustentar uma pessoa adulta.

Muitos se perguntam por que não existe uma proposta de salário capaz de dar uma vida humana e digna para toda a população brasileira. Recentemente, viu-se na TV e em outros veículos de comunicação que os R$35,00 que foram introduzidos ao salário mínimo causaram um rombo enorme nas contas do governo: R$ 2,5 bilhões de prejuízo.

Em 2010 houve um reajuste no salário dos deputados de quase 62%. Eles passaram a receber R$26,7 mil, fora todos os benefícios. Esta reforma custará, para todos os municípios brasileiros, R$1,8 bilhões (cálculo da Confederação Nacional dos Municípios - CNM). Porém, nenhum político comenta sobre isso, não é? Afinal, nenhum deles quer receber menos de R$10.000,00 e ter alguns benefícios cortados.  

O caso é que, se dinheiro faltasse no Brasil, R$2,5 bilhões de reais não seriam investidos para reforma e construção de estádios para a Copa de 2014 e Lula mal pensaria em emprestar cerca de US$10 bilhões para o Fundo Monetário Internacional (FMI) e US$286 milhões para a Grécia. Todo esse dinheiro, que poderia ser investido em saúde, educação, segurança, moradia e cultura, faz do Brasil a 7ª economia do mundo, de acordo com o G-20. Porém, o que determina que um país seja subdesenvolvido ou desenvolvido não é quantidade de dinheiro, mas sim o é feito com ele.

4 comentários:

Ana Paula Moreto disse...

Pois é, achei seu post muito interessante... super completo e o que você falou é verdade, é um pais rico mas com a renda mal distribuida. Mas tambem acredito que por mais dificil que seja a situação em alguns lugares, creio que o brasil vem se desenvolvendo e em relação a outros paises subdesenvolvidos, o Brasil esta em boas condições.

bia santos disse...

E assim "engatinha" a humanidade...

Afinal, o Brasileiro está mais preocupado com o Carnaval, infelizmente...

M!sunderstood disse...

E assim "engatinha" a humanidade, muito bem colocado Bia...Estou seguindo seu blog.

Sucesso, beijos

M!sunderstood

Rodrigo Moraes disse...

Olá, Giulietta!

Conheci teu blog agora e não pude evitar a distância e me pus a seguir! Teu texto é leve e claro.

Minha opinião quanto aos empréstimos cedidos ao FMI e a Grécia se fez como "exposição, demonstração de potência, ainda que inexistente!"

O Lula fez uma gestão para os pobres, e com alto (auto)marketing, onde um operário foi eleito, pagou o que devia ao FMI e agora é, deste, credor. Fez e prometeu para que a Dilma fosse eleita, e agora ela está cortando gastos, inclusive da saúde e da segurança!

Mas enquanto ele/ela continuarem como "distribuidores de bolsas", continuará elegendo-se, e o povo? Bom, este definham-se nas filas do SUS.

Desculpa, acabei falando, falando e nada. Mas gostei do blog, continue escrevendo!

Abraço.